Fale Conosco

Blog

Economia compartilhada: o futuro é agora

Há quem pense que é moda, que vai passar, mas as evidências apontam que isso não vai acontecer. Compartilhar simplesmente é o negócio do futuro, e esse futuro é agora. A cada dia que passa, aumenta nossa percepção que não precisamos possuir ou ter posse para ter acesso. Vem comigo que vou te explicar melhor sobre essa nova prática, a economia compartilhada.

Mas afinal, o que é economia compartilhada?

Qual seria a diferença entre as empresas que atuam de forma tradicional para as empresas que trabalham de forma compartilhada, se ambas buscam o mesmo objetivo que é obter lucro de suas operações? A diferença está no modelo de negócio.

O conceito da economia compartilhada é baseado na forma de troca, e todas as partes envolvidas se beneficiam de alguma forma. No mercado já existem sites, aplicativos, plataformas para compartilhar muitas coisas.

São empresas de vários segmentos oferecendo uma grande variedade de produtos ou serviços. Você pode alugar um smartphone para um dia, uma bolsa para uma festa, um carro para um único deslocamento ou, até mesmo, um quarto para passar uma noite.

Não precisamos mais possuir para ter acesso. Esta é a nova forma de realizar negócios através do uso por demanda, e não pela posse. Isso beneficia todos os lados, ou seja, todos ganham, todos lucram.

Ter plataformas bem estruturadas para uma boa experiência dos usuários é fundamental para o sucesso, dois excelentes exemplos são o AirBnB e o UBER. As duas marcas possuem plataformas que geram valor para ambas as partes: para quem possui o bem e para quem quer apenas utilizar por um período.

No UBER, os donos dos automóveis geram renda extra a partir de um bem que possuem. E os usuários utilizam este serviço com preços mais atrativos, em uma experiência em que ele tem o controle de avaliar o serviço prestado pelo motorista.

Já no AirBnB, os proprietários de residências tem a opção de alugar um quarto, ou a casa toda, por preços mais atrativos que uma rede de hotéis, dando acesso a toda população e criando experiências ímpares às pessoas.

O que a indústria tem a ver com isso?

No mercado industrial não poderia ser diferente, as mudanças tecnológicas afetam diretamente a cadeia de produção. As indústrias sabem que precisam mudar, que precisam se adaptar a novos modelos de negócio. Mas, o que fazer diante disso?

Analisar a cultura e valores da empresa é o primeiro passo a ser tomado, identificar se sua empresa está preparada para a mudança, para inovar e participar dessa transformação digital. Os empreendedores, principalmente, devem estar preparados para mudar a forma de se relacionar com o mercado.

Isso significa dar um passo atrás, analisar a estratégia, o momento do mercado e optar pela melhor opção, que traga mais benefício e torne a empresa mais competitiva. Devemos aceitar que a mudança vai ocorrer quer você queira ou não. Então, quanto mais rápido se adaptar, melhores resultados revertidos.

Compartilhando e trabalhando colaborativamente

Participar de redes de contato pode ser uma grande contribuição na geração de receitas. Visibilidade e novos canais de venda geram novos modelos de negócios, novas formas de ofertar produtos e serviços. A internet e as plataformas digitais tem o poder de proporcionar estas mudanças.

Quando disponibilizamos os recursos de forma colaborativa, todas as partes do processo de produção se beneficiam. Imagine que em uma empresa (A) possuem máquinas ou equipamentos parados ou ociosos, isso significa prejuízo e custos para o empreendedor. Do outro lado, imagine que outra empresa (B) necessite de máquinas ou equipamentos para utilizar por um período específico.

A startup Bee2Share, uma plataforma digital que proporciona o encontro entre a oferta e a demanda, tem justamente esse objetivo: ajudar empresas a gerar mais receitas. Um modelo inovador onde empresas podem cadastrar todas suas máquinas e serviços gratuitamente.

É uma plataforma para gerar negócios na indústria, ampliando as possibilidades de fechamento, sem custo fixo. A empresa escolhe quando usar, paga pelo benefício de fechar negócio e faz contato com clientes interessados quando quiser, por um preço mais barato que um ingresso no cinema.

Curtiu? Segue a Spin no Facebook que lá tem muito mais ideias inovadoras. 😉

Diego Vegini Escrito por Diego Vegini

COO e fundador Bee2Share Inc.